You can scroll the shelf using and keys

Tinha que ser Ella

16 de June de 2011

Hoje eu assinei a venda do último resquício físico que eu tinha do meu pai.

Passei o dia ouvindo jazz. Não tive coragem de ouvir Billie. Billie Holiday seria acrescer calúnia à injúria e espremer meu coração de tal forma, que eu honestamente precisaria de um show do Paul Macca pra me recuperar. E cá entre nós, um show do Paul Macca não uma coxinha de frango com catupiry.

Então passei o dia com Ella.

Sentei agora pra escrever ouvindo Summertime e advinhem: lágrimas escorrendo.

Ô Calorina, que jeitinho esse seu de viver sem deixar passar nenhum detalhe, e sem negligenciar nenhuma sutileza. Chorando. Copiosamente. Puta merda, Ella, me abraça e promete que chegou o verão.

Summertime and the livin’ is easy
Fish are jumpin’ and the cotton is high
Oh your daddy’s rich and your ma is good lookin’
So hush little baby, don’t you cry
One of these mornings
You’re goin’ to rise up singing
Then you’ll spread your wings
And you’ll take the sky
But till that morning
There’s a nothin’ can harm you
With daddy and mammy standin’ by

What do you think?

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

O último resquício físico do seu pai é a metade da sua carga genética, nunca vai ser vendido nem tirado de você, larga mão de ser tonta. De repente rola vender um rim, tá certo, mas mesmo assim, ainda sobra bastante coisa… Uma casa, um carro, um penico velho, é tudo bobagem: seu pai tá aí nessa cabeça, nesses parafusos que faltam e naqueles que sobram, também. Olha quem fala: hoje eu tava olhando para um dos meus gatos e pensei, com pesar, que esse meu pai já não conheceu. Daí pensei que logo todos os animais que ele conheceu vão morrer, e até essa lembrança dele vai sumir no tempo (ele dava apelidos engraçados para todos os bichos de casa). E estou escrevendo isso e chorando, óbvio… sei que o principal dele nunca vai morrer para mim, mas é foda.
Beijo!

Marta

17 de June de 2011

Voce é feliz. Só pode.

zerodois1

16 de June de 2011

%d bloggers like this: