You can scroll the shelf using and keys

A casa trabalhava com ir com calma, mas o fornecedor faliu

12 de May de 2011

30 anos.

Não sou velha exatamente, mas não é pouca bosta. Não tenho mais 19, por exemplo.

Com 19 todo mundo é meio cretino, mas tem uma vantagem: sua felicidade quase histérica é tolerada pela sociedade. Se você for menina, os episódios de dramalhão também. Se você for menino, certa canalhice é compreendida com um simples “você é um moleque”.

Moleques. Jóvens, tenho preguiça. Frequento esporadicamente a “cidade Jovens”, mas jamais compraria um terreno lá. Curto minhas cicatrizes, rugas e traumas. Os escaldos em geral. Luto e resmungo, mas tenho certo orgulho dos meus 3 fios de cabelo branco. Que os outros não achem que eu tenho amor suficiente no peito pra aceitar mais algum, amo estes três. Só. Os outros sofrerão intervenção química.

Amigos da vida toda, é gostoso mas cansa. Porque chega um ponto em que tudo que a gente tem em comum é o passado. E sei lá, num sei se é muita vantagem viver amarrado no passado. Se um passado incrível não mina o futuro incrível.

Não confundam com ingratidão ou leviandade, não é isso. É fome. Uma puta fome, e inquietude.

Me engajo em projetos, irmandades, atividades que me façam sentir tesão pelas possibilidades que estão logo ali, 2 ou 3 botecagens pra frente. Noites passadas em claro, conhecendo gente nova.

Amigos de longa data: amo vocês infinitamente, devo tudo que eu sou e tenho a vocês. Mas preciso que me alimentem os olhos, o coração e a criatividade. Não largo vocês por nada, mas não penso um segundo antes de abraçar novas paixões, e incluir mais gente nas minhas loucuras. Gente que vocês também amariam, se se permitissem conhecer.

Vem comigo gente, larga dessa vida de achar que o passado é mais valioso que o presente ou o futuro. Que a época de histórias incríveis acabou, e que porção emocionante da vida ficou pra trás.

Ainda é cedo pra encostar num barranco.
E a vida é dura, e a morte é certa.
Eu é que não vou ter calma, eu vou ter pressa.
Pressa preguiçosa, daquelas que a gente trata chorando de rir.

What do you think?

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

Oi…
Gosto mesmo de muitas coisas que escreve, mas “ainda” não sei se amigos da vida toda cansa. E, igualmente, tenho sede, muita sede e fome de gente nova. E como tem gente nova a cada dia que se inicia, saciarei sempre o meu apetite. Apenas acho que a cada pessoa que chega, a dinâmica muda. E os amigos da vida toda, mudam também. A dinâmica vem pra todos. E a convivência com os amigos de uma vida toda ” talvez” não seja viver amarrado no passado,mas sim viver com quem te faz bem. “Talvez”seja o nosso olhar que não esteja no bom foco em relação ao nosso passado. Sabe aquele sabor especial de bons momentos que às vezes precisamos recorrer quando em alguns momentos perdemos o rumo? Então, ele pode muitas vezes estar escondido nesse passado, nesses momentos bacanas com os velhos amigos que não precisam mais ler as nossas bulas, que não precisam saber como funcionamos. Vida nova a todos, todos os dias. E aos amigos de da vida toda, a renovação de um novo dia.
Obs. Parabéns pelos seus textos, garota!

Martuscello

22 de May de 2011

O ponto é: basta ser da vida toda pra continuar até o fim da vida?

Chega um ponto em que a gente não pode mais reconsiderar a ligação?

Bjo! Obrigada!

Carolina Mendes

23 de May de 2011

Morro de inveja do que vc escreve, hehehe. Leio e fico pensando: – “Putz, queria ter escrito isso.” As vezes parece que vc lê o que eu sinto, eu me identifico pra caralho com o que vc diz. Queria ser sua amiga, kkkkk. Quem sabe um dia a gente não se cruza pelos botecos da vida, pq eu tbm curto conhecer gente, abraçar novas paixões.
Bj sua linda.

Daniela Portela

15 de May de 2011

Bora, só marcar.

Carolina Mendes

15 de May de 2011

“Porque chega um ponto em que tudo que a gente tem em comum é o passado.”

Verdadíssima.

Como diria o Bigode, “o passado é uma roupa que não nos serve mais”.

Fábio Vanzo

14 de May de 2011

Sabe, isso acaba comigo, pq é gente que ue amo demais.

Mas não acho que teremos mais muitoa coisa em comum…

Carolina Mendes

15 de May de 2011

Lindo seu texto, mais uma vez. Parabéns.

O melhor sempre está por vir. É mais um clichê verdadeiro.

Gabriel

12 de May de 2011

Isso, bjo🙂

Carolina Mendes

15 de May de 2011

É bem assim que eu penso.
Eu tenho fome e sede de hoje, mesmo dando aquela olhadinha no passado.

Beijo

Hugo Guimarães

12 de May de 2011

Que seja só uma olhadinha mesmo.

Carolina Mendes

15 de May de 2011

“Com 19 tudo mundo é meio cretino” hahahah
Concordo com o “tempo” ou vive agora.. ou não vive nunca, ontem já eras e “tommorow never knows”😀

Ronaldão

12 de May de 2011

Isso🙂

Carolina Mendes

15 de May de 2011

Mana…Fudido esse seu post!!! Vai escrever bem assim la na casa do…. Penso da mesma forma… isso ai é formula de sucesso garantido!!!

giulas41

12 de May de 2011

Então vamo junto mano, projetos mirabolantes e mto Ministrão.

Carolina Mendes

15 de May de 2011

%d bloggers like this: