You can scroll the shelf using and keys

Sinatra´s bitch

2 de May de 2011

Toda vez que eu me pego me arrumando pra encontrar um moço, não sei explicar exatamente o mecanismo que starteia o loop eterno temporário de Strangers in the night na minha cabeça, sei só que começa e que não acaba mais. Na verdade acaba. Quando a conversa do moço é suficientemente interessante pra se sobrepor a Sinatra. Acontece também do Sinatra se cansar de cantar, e dar lugar ao Billy Corgan urrando despite all my rage, I´m still just a rat in a cage.

Não é tarefa simples para homens inglórios, mas às vezes dá certo. Às vezes, dá taõ certo, que o Frank para de cantar antes do segundo bis, e vai pro cantinho dele. Não aparece mais a noite inteira.

O sonho moderno, de conhecer alguém, sentir tesão a primeira vista, começarem a noite como estranhos e se apaixonarem.

Se eu acho possível? Acho. Eu e Frank, melhor acompanhada impossível.

Strangers in the night exchanging glances
Wondering in the night
What were the chances we’d be sharing love
Before the night was through.

Something in your eyes was so inviting,
Something in your smile was so exciting,
Something in my heart,
Told me I must have you.

Strangers in the night, two lonely people
We were strangers in the night
Up to the moment
When we said our first hello.
Little did we know
Love was just a glance away,
A warm embracing dance away and –

Ever since that night we’ve been together.
Lovers at first sight, in love forever.
It turned out so right,
For strangers in the night.

I hope so, Frank.

What do you think?

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

Este seu texto me lembrou o trecho de uma música que diz:
Eu lhe entendo, menina,
Buscando o carinho de um modo qualquer
Porém lhe afirmo, que apesar de tudo,
Você não passa de uma mulher (ah, mulher)
Você não passa de uma mulher
Olha a moça inteligente,
Que tem no batente o trabalho mental
QI elevado e pós-graduada
Psicanalizada, intelectual
Vive à procura de um mito,
Pois não se adapta a um tipo qualquer
Já fiz seu retrato, apesar do estudo,
Você não passa de uma mulher (viu, mulher?)

Nesta parte do texto o “tão” virou “taço”.
Não é tarefa simples para homens inglórios, mas às vezes dá certo. Às vezes, dá taço certo, que o Frank para de cantar antes do segundo bis, e vai pro cantinho dele.

Adoro seus escritos, desde o Neosaldina chick. “Se divirto” muito!!

Beijos e tudo de melhor!

Imre Horst

2 de May de 2011

Queria com tradução simultânea…😉

Érica Suzumura

2 de May de 2011

%d bloggers like this: