You can scroll the shelf using and keys

a escolha de Sofia

30 de June de 2010

Eu já escrevi, mais de uma vez, que não sou lá muito kid friendly. E não sou.

Eu não tenho nenhuma condição psicológica de formar outro humano. Isso requer uma fé, teimosia e método. Coisas que eu não tenho. Eu sei, quando eu tiver meus filhos eu vou entender, conseguir, seja lá o que for que a maternidade traz, mas e se não trouxer?

E mesmo que traga. E se, por um desses caprichos do universo a criancinha lindinha e fofinha não nascer perfeita, linda e inteligente? Sim, eu sei. Quando eu for mãe eu vou descobrir que meu amor vai ser o mesmo. Tá, e se o amor for o mesmo, mas a razão continuar equivocada? E se a cabeça entrar em espiral, ou eu tiver que decidir entre ter uma filha com um mini pintinho, ou mutilar a bebê recém nascida e possivelmente deixá- la frígida ou com incontinência? Como decidir oq será mais traumático pra essa criança que eu mal conheço?

Porque a maior parte do tempo, durante muitos anos é isso. Tomar decisões que vão afetar a vida de alguém, que vc não só está formando, como conhecendo.

Viram? Não tenho a menor condição, mas desejo sorte as mães, de uma distância segura.

Learn Something every day

Maternidade às vezes me parece minimizar as chances de fracasso. Ah. o texto que deu origem à isso tudo foi este aqui ó.

What do you think?

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

Viver não é fácil
e definitivamente, a vida não é pra quem gosta d certezas,
E, ao ver a Fernande citar Vinícius sobre o tema lembro d outro grande poeta:

“Vossos filhos não são vossos filhos,
são os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.

Vêm através de vós, mas não de vós.

E embora vivam convosco, não vos pertencem.
Podeis outorgar-lhes vosso amor,
mas não vossos pensamentos.
Porque eles têm seus próprios pensamentos.

Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;
Pois suas almas moram na mansão do amanhã,
que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.

Podeis esforçar-vos por ser como eles,
mas não podem fazê-los como vós,
Porque a vida não anda para trás
e não se demora com os dias passados… ”

Um erro grosseiro e arrogante d mtos pais reais ou em potencial é desconsiderar a verdade contida nesses versos…

Marko

30 de June de 2010

Não sei pra quem é, sei que pra mim provavelmente, não. Bjos!

1/2 Carolina Mendes

30 de June de 2010

Realmente nem tudo são flores… mas talvez você tenha que se conhecer mais como mulher… Para isso, há diversos meios. Como você gosta de ler, há alguns livros interessantes. Para começar, sugeriria o livro: “Mulheres que Correm com os Lobos” da
Clarissa Pinkola Estes. Outra boa coisa seria terapia, mas nem todos se dão bem com isso… assim sendo, boa leitura!!!

Horst

30 de June de 2010

Vou tentar a leitura, não tive sorte com terapia e acabei implicando. Bjos!

1/2 Carolina Mendes

30 de June de 2010

Esse livro fala sobre isso….
Conta a história de uma mãe que o filho cometeu um massacre, e ela começa a rever todas as relações mãe e filho… etc.
Sei lá…parece pesado, mas é um dos melhores que eu já li.
http://www.intrinseca.com.br/upload/download/Release_imp_Kevin.pdf

Ricardo Brun

30 de June de 2010

Olha! Agora temos foto? Vou baixar e dar uma olha, bjo!

1/2 Carolina Mendes

30 de June de 2010

Adoro crianças…as bem adestradas e de preferência com certa margem de distância física da minha pessoa..

Carla

30 de June de 2010

Somos duas, bjos!

1/2 Carolina Mendes

30 de June de 2010

Olha…vou te contar um segredo…eu não amava minha filha quando ela nasceu. Não mesmo.
Prematura, faminta, amarelada e pequena. Essa era a Giovanna. E eu, tendo idealizado tudo, literalmente, dei com os burros n’agua. Criança berra, quer mamar de 3 em 3 horas (daí a insonia que eu sinto há 6 anos), fraldas e cocôs se misturam em lugares que você nunca imaginaria..daí tem o lance da amamentação, que toda mãe tem leite, e tals…eu ouvia direto “vai, se concentra que o leite desce…” então tá. Concentrei-me. Suuuper. Nada do leite. Giovanna tinha a sucção débil, não sugava direito, o leite não descia. Bom, bora comprar leiteem pó, isso simplifica tudo, neam? Não. Não é…intolerância a lactose, disseram..então o leite é de soja…que custa R$ 50,00 a lata e dura 2 dias.
OK, OK. Fiquei insone, pobre, sexo NEVER….assim começou a nossa historia de amor. Minha e da coisinha pequena e amarela, que mostrava a gengiva toda vez que ouvia a minha voz, sorrindo, creio eu.
Errei. Muito, várias vezes. Erro ainda. O amor depende do tempo que dedicamos à criança. Ou seja. o amor é, realmente, infinito. Porque a dedicação é total.
Filhos, melhor não te-los..mas se não os temos….

Fernanda Penatti

30 de June de 2010

Tô meio que preferindo não ter, viu…

1/2 Carolina Mendes

30 de June de 2010

%d bloggers like this: