You can scroll the shelf using and keys

Gripei

13 de May de 2010

Começou com uma tossinha, sábado logo depois de voltar pra casa debaixo de chuva. Domingo passei com a mamis, cozinhei, assisti futebol, filmes e achei que 1 redoxxon + xarope vick dariam conta do recado. Não deram.

Quinta feira, 13 de maio de 2010, totalmente gripada, passei o dia na cama tossindo e assoando o meu já assado nariz.

Pensei em muitas bobagens e cheguei a seguinte conclusão: Não confio em homens baixos. Alguns esclarecimentos antes de me apedrejar:

– Estou com febre.
-Sim estou generalizando, é o q eu faço, generalizo e chego a conclusões loucas, que não vão mudar o mundo, mas talvez impeçam que eu me arrebente no futuro. Chamo de regras de segurança.

(Espirro, espirro, Atchim atchim, SAÚDE)

-”Baixo” é uma questão de referência. Baixo pra mim, não é o mesmo que baixo pra Gisele Bundchen.
-WTF sou eu pra achar qualquer coisa? Ninguém, não superaqueça.
-Leia até o fim

Pensei e acho que não é somente uma questão de parâmetros, complexos e estereótipos. Acho que vem da escola.

Crianças são criaturinhas perversas e maldosas. Apontam cruelmente defeitos, diferenças e fraquezas com precisão cirúrgica e repetição mecânica. Somado a isso, vale salientar que até certa idade, quem é maior manda. Assim simples. Até aí sofrem meninos e meninas raquíticas. Só que chega a adolescência, ou a pré adolescência, e BUM! Meninas e meninos passam a se ver com outros olhos.

Sociologicamente, meninas são criadas e alimentadas de estereótipos, a princesa, a mãe, a mocinha da novela, o amor, os bebezinhos, os filhotinhos de labrador. Fragilidade é vista como feminino e gracioso. Menininhas crescem e se tornam mocinhas cheias de dengos, manhas e vozinhas chantagistas. E nosso raquítico amiguinho que é menorzinho e já passou parte da infância sofrendo na mão dos fortões? Ele se fode.

Ele não é a escolha obvia das meninas, com ele dificilmente elas vão poder armar o teatrinho de amor, fragilidade, e excitação. Quando ele as abraçar elas não se sentirão protegidas como princesas que acabaram de passar pelo salvamento.

Ele não é a escolha obvia dos meninos. Ele não vai bater em outros meninos, ele não vai comprar bebidas alcoólicas ou cigarros, ele não vai entrar nos tchutcheros com identidade falsa. Ele é o elo frágil da corrente.

Isso tudo afeta esse rapazote. Ele desenvolve superpoderes que vão compensar a desvantagem física. Ele vai ser o engraçado ou o inteligente ou whatever. E vai funcionar, ele vai conseguir competir com os outros meninos em pé de igualdade, mas existiu aquele período de inadequação. Inadequação por um motivo que era alheio à sua vontade.

Nosso pequeno herói simplesmente não cresceu. Isso deve afetar o sujeito de maneira significativa.

É como uma menina que nasce como a Edinanci. Não é o padrão social de aparência, comportamento ou físico que uma mulher deve ter. Não que estar no padrão, ou fora dele, seja uma necessidade, só estou dizendo que afeta a pessoa.

Só sei que essas arestas psicológicas sempre me atraíram. Os muito altos, os muito baixos, os ruivos, os inteligentes demais, os talentosos, etc. Gente fora do padrão me deixa confortável, mas estatisticamente falando, foram os baixinhos que representaram 3 dos 5 mais traumáticos rompimentos que eu tive.

Conclusão infundada e babaca do dia: Não confiarei em homens baixos. Duração da resolução? Até aparecer um homem baixo que coloque esta e as outras teorias loucas sobre “como amar com segurança” por terra.

Mulheres são assim, se arrebentam e tiram conclusões loucas, raciocínios dementes e lições que aos poucos vão nos deixando suficientemente confiantes pra amar de novo. E quando amamos de novo, todas as regras e teorias vão pro lixo.

Hora dos remédios e do cochilo. Acho que a febre aumentou.

What do you think?

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

Muito baixinho acaba virando fortinho invocado, embora ainda baixinho. Tem a ver, sim.

Roger

15 de May de 2010

Axiomas loucos, às vezes funcionam…

Bjo!

1/2 Carolina Mendes

15 de May de 2010

Genial, pequena Calorina. Seu blog está se transformando no meu, muito necessário alívio cômico diário. Parabéns!

Flavio

14 de May de 2010

Isso quer dizer que eu tenho que atualizar todo santo dia pra vc gostar de mim?

1/2 Carolina Mendes

14 de May de 2010

%d bloggers like this: