You can scroll the shelf using and keys

A praia, os loucos e o amor

15 de June de 2009 , , , , ,

Duas palavras aí em cima podem fazer voces pensarem que eu faço parte dos loucos.
Não.

Sou bastante chata pra aceitar convites para viajar, costumo não arriscar muito e só aceitar os que eu tenho certeza que valem minhas preciosas horas. Verdade que alguns não são aceitos por pura preguiça ou trabalho. Mas em geral, quando aceito e consigo de fato ir, minha animação é tão grande que fica quase impossível não ser delicioso.

Odeio praias, odeio viagens que tenham como principal propósito a natureza. Pra mim a natureza que passa no National Geografic Channel basta. É a natureza editada e legendada. Odeio areia, adoraria que fosse substituída por pedras de fundo de rio ou azulejos (anti derrapante é claro).

Odeio a democracia da praia, odeio crianças correndo. Odeio crianças que não olham por onde andam e mães que gritam. Não gosto de mães que bebem e arrumam encrenca com dedo em riste. Não gosto de maridos de ficam atrás delas com cara de constrangimento e sem fazer nada. Acho triste essa gente merdalhona que cita nomes de conhecidos como se fosse argumento ou prova de razão. Digo de boca cheia: NÃO SOU NINGUÉM MAS ESTOU CERTA E ISSO ME BASTA.

Amo profundamente meus amigos. Mesmo os casais. Acho bem difícil um dia encontrar em qualquer outra relação conforto suficiente pra passar 4 dias em uma praia vazia e chuvosa, sem tv, sem ipod, sem calor e não lembrar de um momento de tédio e de um assunto repetido.

Amo estarmos quase na casa dos trinta inquietos, e curiosos. Amo as piadas de humor negro, amo sentar pra beber cerveja e conversar depois de mais de 15 anos de amizade. Amo os assuntos que não param de surgir e amo a transição do #prontofalei do twitter pra vida real. Amo perceber que não estou parada ou sou disfuncional, perceber que as pessoas que correram pras panfufas e se enquadraram nas regras é que são malucas.

Ainda não consigo entender a história da maré subir e baixar. Ainda acho que a história da Lua e tal é uma desculpinha bem esfarrapada.

Ainda não sei por que caralho alguém vira Emo.
Ainda não sei oque existe de tão assustador em querer aproveitar a vida e querer ser individualmente completo. Casais de 2 indivíduos são mais felizes, arriscam menos, não correm o risco de um dia culparem o outro do mal uso do tempo.

Nosso dia dos namorados não existiu. Uma chantagenzinha ou outra pra conseguir reabastacer o cooler de cerveja e ficou por aí. Coisas de gente imatura, rs….

Felizes.

Somos felizes porque estamos juntos, porque temos princípios e quando queremos usamos rímel na praia.

Somos felizes porque somos. Existimos, fazemos diferença nas nossas vidas. Somos loucos e amamos, amamos muito e odiamos muito. Sentimos e percebemos o mundo que nos cerca, as pequenas gentilezas e as sutilezas que fodem tudo. Atenção e consciência, equilibrio entre educação, amor e impiedade.
Abra os olhos, aprenda além de dizer não, quando dizer não. E não tibubeie pra dizer sim. E pelo sim, pelo não, mesmo nos dias nublados e de chuva, rímel e protetor solar.

What do you think?

Please keep your comments polite and on-topic.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

comments

Olá Thomé, visitei seu blog, tá de parabens tbem!, bjão!

carolina

25 de June de 2009

Olá,Muito legal seu blog… Visite o meu também: http://www.muraldoantena.blogspot.comUm abraçoAntenor Thomé

Antenor Thomé

15 de June de 2009

%d bloggers like this: